Luisa Puterman

(São Paulo 1989)

Luisa Puterman é compositora, produtora musical e sound designer. Suas pesquisas e projetos exploram histórias, possibilidades, problemas e outros aspectos sobre composição e percepção sonora. Após estudar piano e outros instrumentos graduou-se em História da arte pela PUC-SP para depois se especializar em engenharia de áudio no IAV. “Som é um elemento central capaz de expadir conexões entre conteúdos científicos, filosóficos, místicos e cotidianos” diz Luisa que trabalha com som de forma interdisciplinar em projetos de cinema, publicidade, instalação, performance e dança. Nos últimos anos participou de festivais, residências e exposições como: FILE – São Paulo; 18th Japan Media Festival – Tokyo, Japão; FIVAC – Camaguey, Cuba; FIF – Belo horizonte; Red Bull Music Academy – Paris, França; OneBeat – New Orleans/Chicago, EUA; Novas Frequências – Rio de Janeiro; BANFF center for the arts – Banff, Canada entre outros.

//
Som, de certa forma sempre esteve presente. Há uma latente dificuldade em descrever e identificar um propósito objetivo na intenção criadora. Os projetos apresentam o som como cerne e seu campo expandido como um perímetro maleável que o protege. As problemáticas da dialética audiovisual conduzidas pelos mistérios da percepção sonora regem uma moderada necessidade pelo ato de compor experiências. Performances, vídeos, áudios, intervenções, instalações e partituras gráficas fornecem suporte para veicular esses ímpetos.

Sempre em busca de novas maneiras de trabalhar, perceber e pensar o som, os projetos interagem com a história da arte e com parâmetros da psicoacústica. As características fundamentais do som e suas consequências corpóreas e intelectuais estimulam formas e conteúdos que ilustram alguns enigmas da imaginação. Essa gama de informações contaminada pelo fato de que toda ação produz frequências sonoras e portanto, tudo é potencialmente passível de ser traduzido, decodificado e assimilado através da audição, instiga o hábito de organizar e representar.

Afim de explorar o caráter interdisciplinar da criação artística contemporânea, as pesquisas enxergam no som um umbral potente, capaz de ampliar relações entre conteúdos científicos, filosóficos e místicos.

//
http://www.luisa-puterman.com/