Carina Levitan

(Porto Alegre)

Carina Levitan é artista plástica e música. Cursa a faculdade de Arquitetura e Urbanismo na PUC‐RS e Artes Plásticas da UFRGS e gradua‐se em Sound Arts & Design pela London College of Communication. Em Londres, teve trabalhos exibidos na Photographer’s Gallery, Barbican e apresentações na Tate Modern e Tate Britain com o grupo de improvisação musical Unknown Devices ­ The Laptop Orchestra, dirigido por David Toop. Com o projeto Lote3, duo de improvisação, apresenta‐se no Conexões Globais (Porto Alegre), Casa M (8ª Bienal de Artes Visuais do Mercosul), Hundred Years Gallery (Londres), entre outros. É diretora musical do espetáculo Sou Sol Girassol e diretora geral e musical do espetáculo Parafuso de Algodão, que participa do 20º PoA em Cena, concorrendo ao Prêmio Braskem, da 4ª Mostra de Teatro Infantil de Porto Alegre e pré‐selecionado para o Prêmio Rumos Itaú Cultural ‐ Cinema e Vídeo (Espetáculo Multimídia). É diretora musical do Programa Pandorga, produção da TVE‐RS com a TV Brasil e coordena o projeto Escola Caseira de Invenções ­ espaço pedagógico da 9ª Bienal de Artes Visuais do Mercosul. Em 2014, assina a direção musical, captação e desenho de som do curta‐metragem Sioma ­ O Papel da Fotografia, vencedor de Melhor Curta‐metragem concedido pelo Arquivo Nacional, no RJ, vencedor do Prêmio Aquisição RBS e Prêmio Aquisição TVE do 42º Festival de Gramado e Melhor Trilha Sonora, no Festcineamazônia. É palestrante do Seminário Avançado Máquinas de Guerra: fragmentações educacionais junto ao Programa de Pós‐Graduação em Educação da Faculdade de Educação da UFRGS e participa com performance musical do Congresso Estadual de Ciência Tecnologia, promovido pela Secretaria do Estado do RGS. Com a banda Apanhador Só é vencedora do Prêmio Açorianos de Música de 2011 por Melhor Disco Pop/Rock. Projeta diversos cenários para artista como Papas Da Língua, Nico Nicolaiewsky, Os The Dharma Lovers, Arthur de Farias, entre outros, exibidos no Teatro São Pedro, Teatro Renascença, Teatro de Câmara, Edinburgh Fringe Festival. A intervenção urbana Código de Faixa aparece na capa do jornal Zero Hora, é vinculado em diversos jornais e blogs do país e tem importante matéria no Caderno de Cultura da ZH. O vídeo sobre a obra é selecionado para o V Festival Internacional de Cortometrajes del Cusco, 7º Araribóia Cine e ganha Menção Honrosa pela ABD&C‐RJ. Carina é vencedora do concurso de intervenção urbana Opanka‐ Tá Na Arte e ganha o Prêmio Açorianos de Dança para Melhor Trilha Sonora, com espetáculo Eros+Psiquê, em 2011.

//
http://www.carinalevitan.com